Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bora lá Viajar!

Um blog de viagens de uma sonhadora que quer partilhar as suas experiências com o mundo.

Qua | 28.07.21

Gerês // Roteiro de 3 dias em 2021

Joana Lameiras

Cascatas Tahiti.jpeg

 

O ano passado fui pela primeira vez ao Gerês e adorei cada momento. Aquela natureza toda à minha volta, as cascatas, os poços, os trilhos… apaixonei-me. O meu amor foi tal que este ano voltei a passar uns dias no Gerês, desta vez para o lado este do parque, ou seja, nos distritos de Braga e de Vila Real.

 

bed.png

   Alojamento

Fiz novamente campismo este ano, por gostar tanto da experiência do ano anterior. Escolhi o Ermida Gerês Camping pois fica muito bem situado e tinha boas avaliações por parte de quem já lá tinha estado. Não desiludiu nada! Mega pequeno, não faz reservas, mas conseguimos lugar. Tem sombras e o solo é bom para montar a tenda. A receção é também bar, com preços muito aceitáveis. Mas a melhor parte mesmo é sem dúvida o pessoal que lá trabalha. Fomos muito bem recebidas, com simpatia e muita disponibilidade para ajudar. Logo na primeira tarde deram-nos várias dicas de percursos interessantes que acabei por fazer e gostar muito! Recomendo, sem dúvida. É um parque de campismo longe de ser luxuoso, mas que vale sem dúvida a pena pelas pessoas que lá trabalham. É só importante mencionar que Ermida é uma vila que, bem… não tem nada. Um mini-mercado que deixa muito a desejar, um único café e só um restaurante. Recomendo que se abasteçam de comida antes de aqui chegar, porque até o pão se tem de encomendar para o dia seguinte!

 

Ermida Gerês Camping.jpeg

 

fork.png  Comida

Ermida fica a cerca de 15-20 minutos da Vila do Gerês, sem dúvida a vila mais turística do parque. Esta tem imensos restaurantes e cafés, pelo que não há melhor sítio para um bom jantar. É um local muito menos típico, com muitos estrangeiros e hóteis, mas não deixa de valer a pena visitar. Foi aqui que jantámos em uma das noites. Ermida fica também próxima das aldeias de Fafião, Pincães e Cabril, todos com os seus um a dois restaurantes. Jantei em Fafião também, e ficou sensivelmente mais barato do que na Vila do Gerês. No geral, se querem ir de facto a restaurantes, recomendo planearem de acordo com o que vão ver nesse dia, para não se fazerem quilómetros desnecessários. No caso deste roteiro, acho uma boa opção na primeira noite comer no restaurante de Ermida, na segunda na Vila do Gerês e na terceira em Fafião.

 

travel.png

   Itinerário

 

 

DIA 1

Chegámos pouco depois do almoço ao parque de campismo. Entre montar as tendas e arrumar tudo, partimos à descoberta pelas 16h. Estávamos todas fartas de andar de carro, por isso optámos por fazer um percurso a pé, saíndo diretamente do parque de campismo. 

Primeiro, passámos pela aldeia de Ermida e pela sua pequena capela. Seguindo sempre as placas de madeira (e SÓ as placas de madeira), fomos indo em direção ao miradouro Vela. A maior parte do caminho tem imensas sombras e é largo, pelo que é extremamente agradável. Aproveitem, porque a maior parte dos trilhos no gerês não são assim!

 

Capela de Ermida.jpeg

Placas de madeira.jpeg

Miradouro Vela.jpeg

Vela.jpeg

Vista do miradouro Vela.jpeg

 

Depois de ir ao miradouro Vela, que é lindo, lindo, lindo, um dos que mais gostei, fomos até aos miradouros Silhas, dois miradouros perto um do outro que também valem a pena.

 

Miradouro Silhas.jpeg

 

Para terminar, fomos até ao destaque da caminhada: a cascata da Rajada! Recomendo subirem as pedras até mesmo junto à cascata, e não se contentarem a observá-la de longe, simplesmente porque há um lago na própria cascata no qual vale a pena tomar banho. Aqui para subir até à cascata é necessário ter um pouco de cuidado, mas é completamente possível fazer o curto percurso sem molhar os pés, o que é ótimo!

 

Cascata da Rajada.jpeg

Rajada.jpeg

 

Para voltar ao parque, fizemos simplesmente o caminho contrário. Até chegar à cascata e passando pelos miradouros demorámos cerca de 1h, mas na volta já foram apenas 40 minutos. Acho este percurso uma excelente opção para quem não leva carro ou procura evitar levá-lo para as estradas estreitas do gerês, muito bom!

 

DIA 2

O dia seguinte começou com uma tentativa (falhada) de comprar pão ao único mini-mercado da vila. No caminho, passámos pelo miradouro de Ermida, com uma bonita vista sobre a vila.

 

Vista do miradouro de Ermida.jpeg

 

Pegámos no carro e fomos até às Cascatas Tahiti, ou Cascatas de Fecha das Barjas, ou ainda Cascatas da Várzea. O acesso é fácil - deixa-se o carro à beira da estrada, junto de muitos outros, ou no parque de estacionamento em frente à entrada da cascata (paga-se 2€) e resta descer algumas pedras até ao primeiro “andar” das cascatas. Daqui já se consegue ver um pouco do que é a beleza das cascatas, e também se consegue tomar banho num poço, pelo que é possível ficar-se só por aqui, como ficaram a minha mãe e irmã. No entanto, eu recomendo explorar o resto das cascatas, ir descendo de piso em piso, porque vale bem a pena.

Descer é um pouco mais complicado, por isso o melhor é ir-se o mais leve possível, com as mãos sempre livres para apoiar a descida. Do lado direito há um acesso para um outro piso, e do lado esquerdo desse piso, há um acesso mais comprido e estreito que nos leva mesmo lá a abaixo, permitindo ter uma vista incrível sobre todo o esplendor das cascatas. É aqui também o melhor sítio para estenderem as toalhas, por ter mais espaço e ser muito mais plano, assemelhando-se quase a uma praia fluvial. Para voltar para o carro, é só fazer o caminho inverso.

 

Tahiti.jpeg

Tahiti 2.jpeg

 

Depois de uma agradável manhã nas cascatas, partimos para Fafião. Deixámos o carro junto ao campo de futebol da vila, que é também junto ao parque de merendas (bem agradável) e subimos para o Miradouro de Fafião. Este miradouro é um dos mais impressionantes e também um dos que dá mais vertigens, por se ter de atravessar uma ponte até à rocha mais alta. Dá aquela sensação de que se está no topo do mundo… fantástico, mesmo.

 

Miradouro de Fafião.jpeg

Meditação no miradouro.jpeg

Miradouro, Fafião.jpeg

 

Seguimos para o Poço Verde. Este foi o sítio mais escondido a que fomos, não estando sequer assinalado no Google Maps. O acesso não é fácil - não demora muito (cerca de meia hora para cada lado, se deixarem o carro onde deixámos (5km ida e volta, sensivelmente)) mas é sempre a descer/subir, o que torna o caminho bastante cansativo. Não há indicações, mas não é difícil descobrir o caminho. Depois de passar pelo parque de merendas, é seguir pela direita, até a uma estrada de terra batida e por aí descer.

Eventualmente começa-se a ver o poço verde e desce-se umas rochas, o que não é lá muito fácil. É bonito, não há dúvida, e gostei de lá ir para conhecer, mas sinceramente foi o único local que achei que nunca iria voltar. Não achei de todo que o caminho que fizemos compensasse aquilo que acabou por ser o poço verde. Se fosse agora, optaria por ir ao Poço Azul, um pouco mais distante mas, supostamente, com um acesso mais fácil.

 

Água do Poço Verde.jpeg

Poço Verde.jpeg

 

Para terminar o dia, fomos até à Cascata de Pincães. Acesso fácil - tem de se andar um pouco, mas se forem ao final do dia há sempre sombra. Os caminhos são largos, sem grandes inclinações. Não há muitas tabuletas, no entanto, o que é um ponto um pouco negativo. A sorte é que há sempre gente a ir e a vir, então dá para compreender por onde é suposto seguir. Deixei o carro dentro da própria vila de Pincães, no ponto que o Google Maps indica para aceder à cascata. Têm que se subir umas rochas, mas nada de especial. Esta cascata é impressionante pela sua altura e bastante bonita. Foi o sítio onde passámos menos tempo pois também é o sítio que tem menos espaço para as pessoas estarem, e estava bastante cheio. Não deixa de valer a pena!

 

Cascata de Pincães.jpeg

Outra vista sobre a cascata.jpeg

 

fork.png  Jantar

Adega Ramalho - Demos um saltinho à Vila do Gerês e jantámos num restaurante agradável, com comida típica que nos soube bem depois de um dia cansativo. Preços talvez sejam um pouco inflacionados por haver bastantes turistas nesta zona, mas pagámos uma média de 12 euros por pessoa, o que não foi muito exagerado.

 

Jantar na Casa Antero.jpeg

 

DIA 3

O dia anterior foi uma brincadeira comparado com este… a minha irmã queria matar-me depois dos trilhos todos que fizemos.

Começámos pela maior caminhada desta viagem - o trilho até às 7 lagoas do Gerês. Estacionámos o carro na aldeia de Xertelo, junto ao bar das 7 lagoas (basta meter no Google Maps), ao pé de outros carros estacionados na berma da estrada. Existe também um “parque de estacionamento” do próprio bar nesse local, mas é pago.

O caminho até às 7 lagoas encontra-se extremamente bem sinalizado, porque faz parte de um trilho. Basta seguir até à igreja da aldeia, que se vê logo, e seguir as marcas vermelhas e brancas - não há mesmo que enganar. Antes de ir para o Gerês eu tinha lido na internet que se demorava cerca de 1h a fazer o caminho, mas acho que uma duração mais realista, para pessoas que não fazem trilhos todos os dias mas até têm um bom ritmo, é de 1h30, só a ida. O percurso não é de todo difícil, mas é estreito e há que ter cuidado e olhar sempre para onde se metem os pés. É um caminho muito, muito bonito, com umas vistas espetaculares. Eu fui de manhã, enquanto estava enevoado, e voltei de tarde, já com sol. Tive assim a oportunidade de ver a mesma paisagem de duas maneiras completamente diferentes e ambas espetaculares. É de salientar que o caminho não oferece sombra nenhuma, por isso recomendo evitar as horas de maior calor. No entanto, há uma “fonte” a meio do percurso que dá para encher as garrafas de água, o que dá muito jeito!

 

Marcas no trilho das 7 lagoas.jpeg

Trilho das 7 lagoas.jpeg

 

Escusado será dizer que o caminho vale totalmente a pena quando se chega finalmente às 7 lagoas, o meu local favorito desta viagem. Ao contrário do que é normal, as rochas aqui são mesmo suaves, perfeitas para estender a toalha e passar um belo dia! Também são um bocado escorregadias, pelo que é preciso ter cuidado e evitar zonas molhadas.

Tal como o nome indica, são 7 lagoas, algumas maiores do que outras, mas todas com espaço suficiente para tomar banho. Uma das últimas lagoas é a mais funda e na qual se vêem tipicamente pessoas a mergulhar. No geral, vale a pena percorrer as lagoas e ver este sítio de todas as perspetivas possíveis - é mesmo lindo!

 

7 lagoas.jpeg

7 lagoas, Gerês.jpeg

 

Na volta passámos pelo bar onde o carro estava e comemos umas sandes para ganhar alguma energia. Isto porque o mais extenuante ainda estava para vir… 

Pegámos no carro e metemo-nos rumo à Cascata Cela Cavalos. Existem três formas de chegar lá: 

  1. Caminho do Google Maps. Há uma berma em terra batida onde se pode deixar o carro, exatamente onde o Google Maps indica, e depois segue-se o caminho a pé claramente indicado ali próximo. Não é difícil, mas não tem sombras. A determinada altura há uma bifurcação e seguem para a esquerda… de resto não há nada que enganar.
  2. Caminho da Capela de Santa Luzia. Estaciona-se o carro perto da capela e desce-se até à cascata - acesso um bocado mais inclinado do que o anterior, mas talvez um pouco mais curto. 
  3. Pela aldeia de Lapela. Deixa-se o carro na aldeia e segue-se caminho, que está bem indicado e é bastante semelhante ao primeiro.

Eu optei pela primeira opção, sobretudo porque me parecia o trilho com menos inclinação. De facto não é difícil, mas não tem quaisquer sombras e com todo o cansaço acumulado, custou-nos bastante chegar ao destino. Felizmente acabei por gostar imenso da cascata e da sua lagoa que se pode ver do topo, ao subir por um caminho junto a um velho moinho em ruínas.

 

Cascata Cela Cavalos.jpeg

Lagoa Cela Cavalos.jpeg

Caminho até à cascata Cela Cavalos.jpeg

 

fork.png  Jantar

Restaurante Fojo dos Lobos - Jantámos a caminho do parque de campismo, num restaurante em Fafião, bem mais barato do que o do dia anterior na Vila do Gerês e igualmente bom!

 

No último dia de todos, no regresso a casa, passámos ainda pelo Miradouro da Pedra Bela, um miradouro espetacular com vista para o rio Cávado. Recomendo mesmo darem aqui um saltinho, eu gostei imenso!

 

Miradouro da Pedra Bela.jpeg

Eu no miradouro da Pedra Bela.jpeg

 

Gostei mesmo destas férias. Foram muito cansativas, ainda mais cansativas do que a minha ida ao Gerês do ano passado, mas todas aquelas cascatas e sítios maravilhosos que tive oportunidade de ver recompensaram o esforço. Recomendo, especialmente para quem procura umas férias mais de aventura e menos de descanso!

 

Guarda este post no Pinterest!

Gerês :: Roteiro de 3 dias.png

Ter | 06.07.21

3 dias pelo centro de Portugal: Caldas da Rainha, Nazaré, Alcobaça e mais!

Joana Lameiras

Não há nada como fazer uma pequena viagem depois de uma longa época de exames, e foi isso mesmo que fiz, juntamente com a minha família. Durante três dias passeámos por algumas zonas do centro que eu não conhecia e foram dias tão bem passados que decidi partilhar o nosso roteiro.

 

 

DIA 1

Partimos de Coimbra e fomos diretos até ao Bacalhôa Buddha Eden, o maior jardim oriental da Europa! Fica no Bombarral, em Leiria, e é, de facto, enorme. A entrada custa 5€ por pessoa, o que sinto que é um preço justo para a dimensão do jardim e o tempo que se acaba por lá passar (cerca de 2h, no nosso caso). Tem um restaurante e café lá dentro, o que também significa que não é permitido entrar com comida. No entanto, há um parque de merendas com mesas a cerca de 5 minutos de carro, cheio de sombras, e foi aí que acabámos por fazer o nosso piquenique.

Gostei imenso do jardim. É realmente lindo, até para alguém que não percebe nada de budismo, como é o meu caso. As estátuas são todas espetaculares, principalmente as maiores e há detalhes impressionantes. Está tudo super cuidado e é de uma tranquilidade imensa. Surpreende a cada passo que se dá, principalmente se se for pesquisando os simbolismos das diversas figuras apresentadas. Por exemplo, no jardim existem cerca de 700 soldados de terracota pintados à mão, cada um deles absolutamente único e uma réplica dos originais, que foram enterrados há 2200 anos. Se há alguma crítica a fazer, é definitivamente a falta de tabuletas a descreverem o significado das estátuas, ou a contar um pouco da história por detrás da sua existência.

 

Buda gigante.jpeg

Guerreiros Xian em Terracota.jpeg

Torre de Pagode.jpeg

 

No entanto, o jardim não é apenas focado na cultura oriental, e tem outras partes, tal como o Jardim de Arte Moderna, com peças de Joana Vasconcelos, por exemplo, e o Jardim de Esculturas Africanas. No final da visita, pode-se ainda fazer uma prova de vinhos, pois o jardim fica situado na Quinta dos Loridos, uma das várias vinhas da Bacalhôa Vinhos de Portugal.

 

Escultura africana.jpeg

Escultura de arte moderna.jpeg

 

Depois disto, dirigimo-nos até à Foz do Arelho, para fazer alguma praia apesar do vento que estava. Nesta praia, existem ambos mar e lagoa, o que resulta numa paisagem peculiar. A lagoa é especialmente boa para fazer windsurf, por causa das suas águas calmas, e é perfeita para quem não se quer aventurar pelas ondas do mar, que chegam a ser bem grandes por causa dos ventos muitas vezes fortes.

 

Foz do Arelho.jpeg

 

fork.png Lanche

O’clock - Antes de seguir caminho, fomos comer qualquer coisa a um dos vários bares à beira da praia. Esta revelou-se uma excelente escolha, porque os caracóis estavam mesmo muito bem temperados e o pão torrado que os acompanhava soube super bem! Para além disto, com a proteção contra o vento que o bar oferece, o ambiente torna-se mesmo agradável.

 

Para terminar o dia, fomos até ao nosso alojamento - um apartamento que alugámos através do Booking. Escolhemos ficar nas Caldas da Rainha pois os preços eram mais aceitáveis, quando comparado com alojamentos mais perto da costa. O apartamento ficava mesmo, mesmo no centro da cidade, juntinho ao Parque Dom Carlos I.

 

fork.png  Jantar

Casa Antero - Este restaurante foi-nos recomendado pelo dono do apartamento onde estávamos a ficar, mas fiquei um pouco desapontada. Pedimos todas bifes (dois bifes da casa e um com queijo chévre), e para ser sincera o meu bife não era nada tenro. No entanto, acho que a culpa também foi das nossas escolhas, pois o restaurante tinha também alguma variedade de petiscos, que tinham bom aspeto! Talvez um dia volte, mas nunca para comer bife...

 

Jantar na Casa Antero, Caldas.jpeg

 

DIA 2

De manhã passeámos um pouco pelas Caldas, começando pelo Parque Dom Carlos I, que todas já conhecíamos, de visitar o ano passado. É encantador, acho mesmo giro e recomendo a visita! Fomos também à Praça da Fruta, onde existe um dos mercados de fruta e legumes mais emblemáticos de Portugal. Não é tão grande como eu imaginava, mas é um espaço animado e colorido.

 

Pavilhões no Parque Dom Carlos I.jpeg

Parque Dom Carlos I.jpeg

 

Ao caminhar pelas ruas da cidade, vê-se ocasionalmente obras grandes de Bordallo Pinheiro, chegando mesmo a existir a Rota Bordalliana, que passa por todas as peças espalhadas pelas Caldas. Não fiz a rota, mas deve ser bem interessante!

Da parte da tarde, fomos até ao sul, a Santa Cruz, Torres Vedras, onde a minha mãe costumava passar férias quando era mais nova. É uma localidade simpática, mas bastante ventosa. No entanto, descobrimos uma micro praia bastante abrigada do vento, a Praia Formosa, onde se estava mesmo bem!

 

Praia Formosa, Santa Cruz.jpeg

 

Depois de uma tarde de praia, seguimos para a Praia de Santa Rita, cujo envolvimento é ainda mais bonito, mais selvagem, com montes e vegetação a rodear o extenso areal. Devido ao vento, decidimos apenas ficar pelo bar da praia.

 

Praia de Santa Rita.jpeg

 

fork.png  Jantar

Grão d’Areia - Quando eu digo que este é o melhor bar de praia a que eu já fui, com a melhor relação qualidade-preço… não estou mesmo a brincar. Simplesmente adorei. Pedimos amêijoas, para começar, e apesar de inicialmente acharmos caras para a quantidade oferecida, rapidamente percebemos que o preço era totalmente justificável. As amêijoas eram mesmo excelentes, de uma qualidade muito acima da média. Vinha com um pão torrado com manteiga de algo pelo qual eu fiquei apaixonada. Pedimos também moelas, que foi aquilo que achei mais banal. A seguir, pedimos sopa de peixe que estava incrível - mesmo, mesmo muito boa! Para terminar, veio ainda uma fatia de tarte de amêndoa, mas estava tão deliciosa que se teve de mandar vir mais uma. Resumindo: se estiverem na zona, não percam este restaurante!

 

Grão D'Areia, Praia de Sta. Rita.jpeg

 

DIA 3

Começámos o último dia por nos dirigir à fábrica de Bordallo Pinheiro, onde se situa uma loja com imensas peças disponíveis para venda. No seu primeiro andar, tem uma parte exclusivamente outlet, com peças que têm algum defeito, e por isso com preços mais acessíveis. Os defeitos são muitas vezes quase inexistentes e por isso compensa definitivamente dar uma espreitadela nesta parte da loja.

Partimos depois para a Nazaré, mítica terra dos surfistas, com as ditas maiores ondas do mundo.

 

Nazaré.jpeg

 

fork.png  Almoço

Mário Peixe - Devido à sopa de peixe incrível do dia anterior, voltei a pedir uma neste restaurante. Estava bastante boa e os chocos fritos e sardinhas que vieram a seguir também bem bons. Não fui a maior fã do arroz de marisco, mas acho que se deveu apenas a um condimento qualquer a que não estou habituada. 

 

Caminhámos pelas ruas da Nazaré, à beira-mar, passando pelas várias peixeiras que ainda hoje usam as sete saias, como manda a tradição! Isto porque, antigamente, as nazarenas costumavam esperar pelos seus familiares que vinham de alto-mar na praia, e muitas vezes estava frio, pelo que usavam várias saias para se protegerem.

Ainda na Nazaré, pegámos no carro e fomos até ao Sítio, com uma bela vista da costa, no Miradouro do Suberco, e com o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré. 

 

Santuário de Nossa Senhora da Nazaré.jpeg

Veado, Nazaré.jpeg

 

Seguimos para Alcobaça, visitar o Mosteiro de Alcobaça. Se fores estudante, o bilhete fica em 3€, caso contrário fica em 6€. É um edifício imponente, mas não achei o interior nada de por aí além.

 

Mosteiro de Alcobaça.jpeg

Janela no Mosteiro de Alcobaça.jpeg

Interior do Mosteiro de Alcobaça.jpeg

 

fork.png Doces conventuais

Pastelaria ALCÔA - Têm imensa oferta e tudo com muito bom aspeto. Já ganharam vários prémios com diversos doces, por isso tinha as expectativas em alta. Pedimos uma delícia do convento, um tachinho de D. Abade e um Jesuíta. O melhor, na minha opinião, é o tachinho de D. Abade, mas não achei nenhum deles incrível.

 

E assim acabou esta pequena viagem, com o nosso regresso a Coimbra, no final da tarde. É claro que existem muitos outros sítios bastante interessantes nesta zona - apenas não os visitámos porque já os conhecíamos. Dou especial destaque a Peniche e a Óbidos, ambos muito próximos das Caldas da Rainha, e ambos uns destinos que valem a pena visitar (principalmente Óbidos, que é mesmo giro!). Se tivesse de recomendar algo que visitei durante estes dias, seria sem dúvida o jardim Buddha Eden - para mim, o verdadeiro highlight da viagem!

 

Guarda este post no Pinterest!

3 dias pelo centro de Portugal.png